quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Google lança navegador de Internet



Inovação. Motor de busca mais popular do mundo está imparável. Agora, vai lançar um 'browser' para concorrer directamente com o Explorer, da Microsoft, Firefox e Safari

Retomada guerra dos 'browsers', que ameaça Microsoft

A Google anunciou ontem o Chrome, um novo browser ou navegador para o sistema operativo Windows da Microsoft, a principal visada com este lançamento. Vai estar disponível em 43 idiomas, incluindo o português, mas até ao final do dia não foi possível efectuar o seu download e testá-lo.

O conhecimento público do Chrome ocorreu por engano, ao serem disponibilizadas na Web cópias de uma banda desenhada preparada para distribuição a jornalistas e bloggers. O autor da banda desenhada, Scott McCloud, confirmou o erro no seu site.

"Os utilizadores não têm escolha suficiente" e o Chrome "é um presente para a comunidade, mais uma ferramenta que vai aumentar a concorrência, dar mais escolha, mais inovação", referiu ontem Hugo Barra ao DN, em entrevista telefónica. O actual director de produtos da Google, sedeada em Londres, salienta que não se trata de concorrer com a Microsoft e até nem tem "expectativas de quota de mercado" quando o Internet Explorer tem mais de 70% e o Firefox 20% de quota do mercado dos browsers.

Barra concede que um novo browser, "rápido, fácil e intuitivo", dinamiza a Web e acelera-a, em termos técnicos. Mas qual é o modelo de negócio para um novo browser? "É um passo em frente, tecnologicamente, para toda a Internet", diz Barra. "A finalidade é estimular a inovação para que a Internet melhore", refere, lembrando que como o negócio da Google é a Internet, se esta "cresce, a Google também cresce".

O Chrome incorpora funcionalidades já disponíveis em add-ons, pequenos programas que os utilizadores podem incorporar no seu browser. Evoluiu de projectos da Google como o Gear (aplicações mais eficientes) ou do browser para o futuro sistema operativo para telemóveis Android.

Uma vantagem óbvia é que, sendo um programa de código aberto, permite a qualquer programador informático acrescentar-lhe novos desenvolvimentos.

Esta abertura do código informático a quem o quiser analisar tem impacto igualmente nas críticas de que o Chrome pode registar as navegações de um utilizador pela Internet, com efeitos na privacidade pessoal, tanto mais que a Microsoft já anunciou que as questões de privacidade terão uma atenção especial no novo Internet Explorer 8.

"Sentimo-nos animados quando outras empresas usam funcionalidades que nós desenvolvemos" para proteger a navegação pessoal dos utilizadores na Web, refere Hugo Barra.

Este foi o único assunto em que a assessora de imprensa da Google, presente na entrevista ao DN, interveio de forma veemente para refutar a ligação entre o Chrome (ou outras aplicações da Google) e a violação da privacidade pessoal.

O Google Chrome deverá ficar disponível em "www.google.com/chrome".

Um comentário:

esquilo disse...

não gostei do visual,mas é muito bom!